Notícia

Jogador de futebol é processado por usar uma marca que ele mesmo popularizou, mas não registrou

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin

Os jornais esportivos divulgaram uma reportagem pouco usual nesta semana. O atacante do Flamengo Bruno Henrique foi acionado pela Justiça a pagar uma indenização de cerca de R$13 milhões por uso indevido de marca. Uma torcedora do clube, chamada Josineide Constantino Dantas, quer impedir o jogador de explorar comercialmente a marca “Outro Patamar” argumentando que ela possui o registro da marca no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) sendo a única que poderia usar a marca no comércio de roupas e artigos esportivos, entre outros produtos.

 A expressão “outro patamar” foi utilizada por Bruno Henrique em 2019 após uma partida do Flamengo contra o Vasco. Na ocasião, o atacante disse que a sua equipe estava em “outro patamar” e que não deveria ser comparada ao rival, que estaria em nível de qualidade muito abaixo, haja vista que o Flamengo disputava o título nacional e continental. A frase virou slogan da torcida, meme, título de música de rap e de uma loja de artigos esportivos do próprio Bruno Henrique. Na época, a torcedora Josineide achou que o bordão seria um bom nome para uma marca de roupas esportivas e procurou o INPI para registrar a marca. No processo em que pede a indenização milionária, a torcedora alega que o atleta “tem se valido da marca da autora para obter lucros e subsídios comerciais”.

Esse episódio inusitado divulgado recentemente na mídia revela uma preocupação relevante para as pessoas de que é necessário registrar e proteger sua marca antes de ser “vítima” dela.

Nossas
Especialidades

Veja nossas principais áreas de atuação