Notícia

COP26: Uma responsabilidade de todos nós

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin

Em novembro de 2021, o escritório Di Blasi, Parente & Associados realizou o painel “Amazon: Zero Harm” no fórum Make Climate Action Everyone’s Business, organizado pela ICC (International Chamber of Commerce) junto à COP26. O evento envolveu representantes do setor privado e acadêmico em um debate sobre como buscar o dano zero para a região amazônica. Participaram do debate a diretora de Sustentabilidade da Natura, Denise Hills, a diretora de Sustentabilidade da Unilever, Suelma Rosa, o diretor de Sustentabilidade da B3, Cesar Sanches, e o cientista político e fundador da CLP (Centro de Liderança Pública), Luiz Felipe D’Ávila.  

Gabriel Di Blasi, moderador do painel, apresentou dados que revelaram a urgência do tema no contexto governamental brasileiro, como o aumento de 51% do desmatamento entre 2019 e 2020, o que corresponde a 8.381 quilômetros quadrados somente nos últimos 11 meses. O número de leis apresentadas no congresso nacional que buscam proteger a região amazônica cresceu desde 2019, mas ainda longe do recorde de 81 projetos apresentados em 2008, quando o mundo conheceu a crise econômica que culminou com a falência da Lehman Brothers. Em 2019 foram apresentados 26 projetos de lei com foco na proteção amazônica, em 2020 foram 35 e até agora em 2021, 17.

Um dos obstáculos para a convergência de esforços políticos no Brasil consiste na pluralidade de partidos (33 atualmente) e antagonismo nas visões políticas. Os partidos de esquerda, de forma geral, focam sua bandeira política na proteção dos povos indígenas e na defesa dos direitos das minorias. Os políticos de centro, por sua vez, buscam propostas de sustentabilidade econômica e mecanismos de proteção ambiental. Já o viés de direita está orientado no uso econômico da Amazônia Legal, privatizações e concessões na região amazônica e uma redução do papel do Estado.

O poder executivo brasileiro tem sido duramente criticado pela opinião pública internacional pelos sucessivos recordes de queimada no país e a pressão aumentou com a eleição do presidente americano Joe Biden, que assumiu uma campanha de redução do desmatamento. Nesse contexto, o Brasil levou a sua maior delegação para um evento de mudanças climáticas das Nações Unidas e é a segunda maior delegação da COP-26, atrás apenas da americana.

Logo nos primeiros dias do evento em Glasgow, apesar de estar sob críticos holofotes, o governo brasileiro aderiu a dois acordos relevantes: (1) reduzir a emissão de gás metano em 30% até 2030 (com parâmetros de 2020) e (2) zerar o desmatamento até 2030.

O Brasil emitiu 20,2 milhões de toneladas de metano em 2020 e era contra o acordo porque atingiria diretamente o rebanho bovino nacional: 72% da emissão de metano no país vem da agropecuária, 16% de resíduos e 9% de mudança de uso da terra. O país emite 14,5 milhões de toneladas de gás metano na agropecuária sendo 97% consequência da fermentação entérica (arroto e flatulência do rebanho). Para alcançar essa meta será necessário adotar basicamente duas estratégias: reduzir o rebanho e/ou investir no melhoramento do setor [1].

Gabriel Di Blasi, moderador do painel, acredita que a inovação é o ponto fundamental e a solução para esses impasses que o Brasil enfrenta hoje e que o setor agro está desenvolvendo, em parceira com startups, tecnologias para controle, monitoramento e rastreamento de gados nas pastagens, inclusive da emissão de metano na atmosfera. Ele afirmou ainda que apesar de não haver soluções tecnológicas para a diminuição de emissão de metano advindo do rebanho, já existe um planejamento dos maiores produtores de proteína animal nacionais para a redução do gerenciamento do abate do rebanho, o que irá reduzir substancialmente o nível de emissão de metano.   

A diretora de Sustentabilidade da Unilever, Suelma Rosa, defendeu a inovação como motor dessa mudança necessária de proteção ambiental e defendeu uma mudança de estratégia nas empresas onde o plano de sustentabilidade não seja separado dos planos de negócios. Para ela, a solução baseada na natureza está além da redução do impacto climático, sendo necessário integrar a mentalidade ecológico e sustentável em toda a cadeia produtiva. Suelma afirmou que pequenos empresários e empreendedores da região amazônica devem receber algum tipo de subsídio ou financiamento para sobreviver e que a solução está no que chamou de bioinovação. Para ela, o país já é uma potência em biotecnologia, só precisa aumentar a escala. E concluiu afirmando que por muito tempo houve a impressão de que sustentabilidade ambiental e prosperidade andavam em direções opostas, o que não é verdade. Atualmente é possível preservar a natureza, plantar árvores e ainda fazer dinheiro.

A diretora de Sustentabilidade da Natura, Denise Hills, acredita que a sustentabilidade ambiental não é mais uma questão de comprometimento, mas de ação. Ela completou que quando o assunto é redução de emissões de gases poluentes e soluções climáticas, a Amazônia é um tema fundamental. Denise citou exemplos da Natura como modelo de negócio sustentável na Amazônia e defendeu ações coletivas para solucionar o problema ambiental e citou uma observação empírica: a quantidade de CEOs presentes em Glasgow seria um indicativo do envolvimento empresarial e da sociedade civil nas propostas da pauta de defesa ecológica.

O cientista político Luiz Felipe D’Ávila acredita que a visão política do que denominou  “esquerda anticapitalista” e  “direita exploratória” está ultrapassada. Ele defende o uso de dados estatísticos para a mesa de discussão de políticas públicas e cita o exemplo do uso de rankings de governos locais a partir de índices da agenda ESG (meio ambiente, social e governança, na sigla em inglês) para merecer recursos públicos federais e até internacionais. D’Ávila acredita que é necessário atrair investimento para fomentar a economia e, consequentemente, salvar a Amazônia. Luiz Felipe argumentou que o Brasil é o único país do mundo capaz de neutralizar carbono apenas plantando árvores e que a COP-26 demonstrou que o país está mais maduro como sociedade para preservar a Amazônia, devido à participação de governadores e prefeitos no evento, além de representantes dos setores privados.

O diretor de Sustentabilidade da B3, Cesar Sanches, defendeu a adoção dos critérios da agenda ESG como uma estratégia relevante para integrar a preocupação ambiental no processo decisório das empresas. Para ele, o desafio está na interseção de como contribuir com a sociedade e ser viável economicamente a longo prazo e citou uma frase do prêmio Nobel de Economia e ex-presidente do Banco Mundial, Joseph Stiglitz, de que “a educação tecnológica é a base para uma nação desenvolvida”. Além da defesa da inovação como base da sustentabilidade, Sanches destacou a participação do setor financeiro nas ações em Glasgow, como a iniciativa de um grupo de investidores brasileiros que cobrou medidas mais pragmáticas, como a regulamentação do acordo de Paris.

No documento, o grupo chamado de “Investidores pelo Clima”, que reúne 18 empresas brasileiras, pede o fortalecimento de políticas públicas para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas, a partir da redução da emissão de gases do efeito estufa, fiscalização ambiental, redução da taxa de desmatamento, estimular o investimento privado sustentável e de baixo carbono, dentre outras medidas. Os signatários do documento reúnem cerca de R$ 873 bilhões sob gestão – uma demonstração de que economia e sustentabilidade podem andar de mãos dadas e que o enfrentamento da crise climática é um grande desafio para o setor financeiro e empresarial.

Gabriel Di Blasi, sócio fundador do Di Blasi, Parente & Associados e moderador do painel, concluiu:  

“Me parece que hoje não faltam recursos para o enfretamento ao desmatamento e o desenvolvimento de melhores práticas de sustentabilidade para a recuperação econômica. Mas o ponto principal é, na minha opinião, o gerenciamento desses recursos de maneira que esses recursos possam ser efetivamente utilizados para essas pautas. Ou seja, a gestão de recursos e, ainda, o planejamento de ações viáveis economicamente.”

Após duas horas de debates e apresentação de dados e sugestões de como o setor privado pode desempenhar um papel mais importante na proteção da Amazônia, os palestrantes concordaram de que não há tempo para esperar por ações de governos e que há necessidade de maior engajamento da sociedade civil. Quase um eco da manifestação realizada na COP-26 pela jovem ativista sueca Greta Thunberg e ONGs contra o “greenwashing”, onde a compensação de carbono plantando árvores não basta para salvar o clima do planeta.

Está na hora desses compromissos saírem do papel e da mídia e se transformarem em ações práticas. Ainda, não podemos deixar isso nas mãos dos governantes, mas a sociedade civil, bem como as empresas, tem um papel fundamental para transformar esse cenário de “faz de conta”. Está na hora das empresas arregaçarem as mangas e iniciar um processo de transformação do setor produtivo convencional que traz aumento significativo de emissão de carbono na atmosfera. Essa mudança tem que ter um prazo para acontecer e não ficar calcada em cima de metas subjetivas. Esse papel também nos cabe como cidadãos, pois temos uma responsabilidade enorme na contribuição de emissões de poluentes não somente na atmosfera, mas em nossas florestas e oceanos. Ainda, como forma de contribuir para combater o greenwashing o sistema de propriedade intelectual pode ser usado como ferramenta capaz de identificar empresas que se utilizam indevidamente de nomes, indicações, marcas, tecnologias, entre outras, que não lhe pertencem, mas a utilizam de forma a induzir o consumidor que seu produto ou serviço está em conformidade à agenda ESG, por exemplo.” – Conclui Gabriel Di Blasi.

Afinal, como o nome do fórum sugere, a ideia é fazer com que ações climáticas sejam o negócio de todo mundo.


[1] Disponível em < https://oglobo.globo.com/mundo/brasil-aderiu-compromisso-sobre-metano-na-cop26-por-pressao-dos-eua-25261535> acesso em 11/11/21.

Nossas
Especialidades

Veja nossas principais áreas de atuação